5 formas de estudo para o seu filho utilizar

5 formas de estudo para o seu filho utilizar

O estudo individual de um aluno é um momento fundamental para que ele se coloque diante dos conteúdos aprendidos em sala de aula e crie mecanismos para memorizar as informações, destacar as mais importantes e praticar muito! Seja para fazer uma lição de casa, seja para tirar uma boa nota ou para adquirir mais conhecimento, estudar é sempre importante.

Por isso, existem diversas formas de realizar essa atividade de maneira mais eficiente. Separamos cinco técnicas diferentes que você pode mostrar ao seu filho para que ele tente adaptá-las à rotina. Acompanhe!

1 – Resumos

Um dos métodos mais tradicionais de estudo são os resumos. Mas, embora muito utilizados, é preciso saber produzi-los com qualidade. É comum que os estudantes exagerem na quantidade de informações escritas em um resumo e que, no final das contas, o documento se transforme quase em uma cópia do livro ou do texto original. 

Dessa forma, oriente seu filho a ler uma vez o conteúdo, em seguida ler mais uma vez destacando os pontos mais importantes e, depois, escrever com as próprias palavras aquilo que ele julga relevante para o entendimento da matéria. É interessante também dar ênfase às palavras-chave, para que o cérebro acione mecanismos de memória e facilite todo o processo de aprendizado.

2 – Autoexplicação

Nessa forma, explora-se o uso de diferentes sentidos do corpo humano durante a prática do estudo. Seu filho poderá utilizar o livro ou o próprio resumo para ler em voz alta, e conforme se depara com um conceito que precisa ser explicado e definido, ele faz uma pausa na leitura, desenvolve uma linha de raciocínio sobre o fato e depois volta a ler o que faltar. 

Ao utilizar a visão e a audição, o seu filho terá mais facilidade para guardar as informações, pois é comprovado que quanto mais sentidos utilizamos durante uma atividade de concentração, como estudar, mais ligações o cérebro produz para armazenar os dados. Sendo assim, não deixe de sugerir para o seu filho que ele use o resumo feito e complemente o estudo com esse método.

3 – Castelo de ideias

Para quem tem uma boa imaginação, o castelo de ideias pode ser uma boa forma de estudar. A dinâmica funciona assim: o estudante deve pensar em um castelo (pode ser a casa em que mora também) e traçar uma rota imaginária, por exemplo, entre a porta de entrada até o banheiro do quarto principal. 

Feito isso, é necessário desmembrar a disciplina que se está estudando em pontos-chave para associá-los aos cômodos do castelo. Vamos exemplificar: seu filho está estudando taxonomia, portanto deve se lembrar da ordem de classificação dos seres vivos. Então, ele deverá se imaginar fazendo o caminho da porta até o quarto e, a cada ambiente da casa, associar um nível taxonômico. Nesse caso, podemos ter:

Porta de entrada (Reino), hall (Filo), sala de estar (classe), escadas (ordem), corredor (família), quarto principal (gênero) e banheiro (espécie). Essa forma mais ilustrada de estudar uma matéria é ótima para deixar o tema em foco mais palpável e próximo do estudante.

4 – Estudo mnemônico

Brincar com as palavras e abreviações também pode ser um jeito eficiente do seu filho se lembrar de informações importantes, principalmente nas disciplinas de exatas, nas quais se usam muitas fórmulas. O método mnemônico é aquele em que se pega uma abreviação e cria-se uma frase ou outra palavra mais fácil para se lembrar de um conceito. 

Mostre para o seu filho o seguinte exemplo: ele está estudando o movimento retilíneo uniforme em física, e a fórmula base para descobrir os elementos é S = S0 + V . ∆t.

Para memorizar com mais facilidade, seu filho pode falar que “S” é igual a “sorvete”. Em que “sor” representa a posição “S0“, o “ve” é o mesmo que a velocidade “V” e o “te“, é o espaço de tempo “∆t“.

5 – Testes e simulados

Por fim, nada melhor do que aplicar todo o conhecimento adquirido nas longas horas de estudo do que fazendo testes e simulados. Nesse sentido, o COC oferece um Ciclo de Simulados completo para o seu filho participar. Esse é o momento para que ele se concentre e coloque em prática aquilo que aprendeu. Além de ser importante também para detectar aquilo que precisa ser mais estudado até o dia das avaliações escolares e vestibulares. 

Fonte: Sistema COC- Pearson

6 coisas para NÃO fazer na redação do Enem

6 coisas para NÃO fazer na redação do Enem

Você já sabe que a redação do Enem é uma das partes mais importantes de toda a prova, por isso é preciso tomar bastante cuidado para não cometer erros básicos, mas que podem custar muito caro no desempenho final. 

Para te ajudar a não cometer esses deslizes, vamos listar algumas coisas que você precisa evitar durante a escrita da redação. Acompanhe!

1 – Não quebre a estrutura

O texto que deverá ser produzido pelo candidato é dissertativo-argumentativo, e isso não vai mudar na hora da prova. O Enem não te dará escolha de outra forma textual ou deixará essa informação implícita. Por mais que nas introduções esteja escrito isso, tenha sempre em mente que o estilo da redação será esse. 

O seu texto dissertativo-argumentativo deve respeitar uma estrutura básica, com introdução, desenvolvimento e conclusão. Dessa forma, não queira alterar a ordem das coisas ou fugir muito dessa proposta, pois você poderá perder pontos valiosos por não seguir aquilo que os avaliadores esperam.

Algo que pode mudar, e sobre o qual o candidato tem uma certa liberdade de escolha, é a quantidade de parágrafos do desenvolvimento. Geralmente, ele é dividido em duas partes, para que a leitura não fique cansativa. Atente apenas ao fato de que, ao abrir vários parágrafos de desenvolvimento, a conclusão deverá fechar cada uma das ideias, o que pode não ser uma boa estratégia, considerando que há um limite de linhas no texto.

2 – Não use a primeira pessoa

Na redação dissertativo-argumentativa do Enem, o candidato não pode escrever em primeira pessoa, ou seja, não use “eu acho…”, “eu acredito…”, “penso que…” etc. Essa é uma regra básica com a qual, infelizmente, os estudantes ainda se confundem durante a elaboração e perdem muitos pontos.

Para evitar isso, procure utilizar formações como “conclui-se que…”, “percebe-se que…”, “observa-se que…”, entre outras. 

3 – Não fuja do tema

Preste muita atenção no tema proposto pelo Enem, pois fugir do que é esperado pode resultar em uma nota zero. Dessa forma, leia o tema mais de uma vez, destaque as palavras-chave e, sobretudo, leia com cuidado os textos de apoio, pois ficará mais fácil ter a clareza do que é realmente proposto ao candidato.

A fuga do tema é o erro mais grave que alguém pode cometer na redação do Enem, portanto não tenha pressa para produzir o texto. Faça todo o processo de análise do tema, leitura dos textos, rascunho das ideias e escrita com calma.

4 – Não dê soluções exageradas

Como citamos anteriormente, a estrutura de um texto dissertativo-argumentativo deve ser dividida em introdução, desenvolvimento e conclusão. Ao fechar o texto, o candidato deve apresentar possibilidades de soluções para o problema central que foi destacado no desenvolvimento. 

Porém, é preciso ter bastante cuidado com isso para não propor soluções milagrosas ou exageradas. Lembre-se de que os temas sempre abordam uma questão enraizada na sociedade ou problemas recentes que ainda não têm uma solução, por isso a sua sugestão precisa ser plausível. 

5 – Não use a linguagem informal

Algo que também pode causar dificuldade para o estudante é o uso da linguagem correta na redação. Os examinadores não esperam que o aluno tenha um linguajar muito formal, com termos complexos. Por outro lado, também não querem que a informalidade seja usada, com gírias ou abreviações. 

Dessa forma, é preciso encontrar o equilíbrio, deixar a escrita informal de lado, não se preocupar em usar palavras difíceis e escrever da maneira mais natural possível, como se aprende nas aulas de gramática.

6 – Não assine o texto

Por fim, nossa última dica é também algo que acontece no final da redação do Enem. Mesmo que o candidato escreva um texto perfeito, seguindo todas as orientações estruturais e o tema, e utilizando a linguagem correta, caso no final haja uma assinatura de quem fez a redação, provavelmente ela será zerada.

A organização da prova entende que ao assinar a folha do texto, você pode causar uma parcialidade no momento da correção. Portanto, lembre-se de que isso não é necessário, nem recomendado!

Fonte: Sistema COC- Pearson

Como identificar que seu filho precisa de psicoterapia?

Como identificar que seu filho precisa de psicoterapia?

A saúde mental de uma pessoa é tão importante quanto a física e a emocional, mas ela nem sempre recebe a devida atenção e cuidado. Ultimamente esse assunto tem sido mais discutido, e alguns tabus estão sendo quebrados. 

Sabendo dessa importância das questões relacionadas à mente, você saberia identificar sinais de que seu filho está precisando de um acompanhamento psicoterapêutico? O COC listou neste artigo algumas dicas para ficar atento e, ao menor sinal de cada uma delas, tomar a atitude de procurar por ajuda. Confira!

Mudanças no comportamento

A infância e a adolescência são épocas de muitas descobertas e transformações, então os pais já precisam, naturalmente, ficar mais atentos às mudanças de comportamento dos filhos para detectar se algo está errado ou se é apenas uma situação pontual. 

Alguns comportamentos podem se destacar pelo excesso ou pela falta. Repare, por exemplo, se o seu filho anda muito nervoso ou se descontrolando emocionalmente com facilidade. Essas são demonstrações bastante claras de que alguma coisa está acontecendo. 

Porém, essa não é a única forma de detectar a necessidade da psicoterapia. Noites de sono desreguladas, fazer xixi na cama, ter constantes pesadelos, medo de dormir sozinho, receio do escuro, inquietação, birras, choros descontrolados e outros comportamentos semelhantes a esses devem ser analisados com cuidado pelos pais, já que as crianças e jovens estão aprendendo a lidar com os problemas e frustrações e, muitas vezes, tomam atitudes desse tipo para externalizar os sentimentos.

Falta de estímulos

Procure analisar o estímulo que a criança ou o adolescente tem ao realizar tarefas básicas do dia a dia e aquelas que fazem parte dos seus hobbies. A falta de vontade e o desânimo podem indicar que algo sério está acontecendo, e nem mesmo aquilo que o jovem gosta de fazer está ajudando a distrair sua mente.

Alimentação desbalanceada

Manter uma alimentação balanceada e rica em nutrientes é fundamental para o desenvolvimento corporal e mental dos jovens, além, é claro, de contribuir com o processo de aprendizagem.

A falta de apetite ou o excesso de vontade de comer coisas menos saudáveis pode indicar que eles precisam de ajuda. Nesse ponto, especificamente, o cuidado dos pais é ainda mais importante, pois essa mudança no comportamento relacionado aos alimentos pode causar diversos problemas de saúde, como anemia, obesidade e transtornos alimentares.

Gatilhos emocionais

Os traumas, medos, frustrações e qualquer outro sentimento podem ser causados de inúmeras maneiras, como por uma briga, uma bronca, uma nota baixa, um comentário, baixa autoestima etc. É por isso que devemos ter muito cuidado com a maneira como nos comunicamos com o próximo, e mais ainda quando são crianças e adolescentes.

Muitas vezes é difícil para a pessoa que está precisando de acompanhamento psicológico verbalizar o que está sentindo, então pode ser um desafio determinar a causa de uma mudança de comportamento. Porém, nosso corpo se comunica a todo momento, e às vezes, ao ouvir ou vivenciar algo que funciona como um gatilho, o corpo reage de uma determinada forma, e é assim que os pais podem compreender se há algo que os filhos precisam colocar para fora.

Fonte: Sistema COC- Pearson

COC faz doação para a Rede de Solidariedade

COC faz doação para a Rede de Solidariedade

A Rede de Solidariedade recebeu na semana passada a doação de 400 quilos de alimentos do Colégio COC de Araraquara (COC Araraquara). Os alimentos doados foram armazenados no Banco Municipal de Alimentos, pertencente à Coordenadoria de Segurança Alimentar, órgão ligado à Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social e serão destinados para o atendimento às famílias em vulnerabilidade social em meio à crise econômica provocada pela pandemia.

Agradecemos todos os envolvidos neste ato de solidariedade!

Confira os pontos de arrecadação de alimentos e produtos de higiene e limpeza:

– Casa dos Conselhos, na Avenida Portugal, 583, Centro, das 8h00 às 17h00;

– Fundo Social de Solidariedade, na Rua Imaculada Conceição (Rua 12), 3885, Vila Yamada, das 7h00 às 13h00;

– Banco de Alimentos, na Avenida Padre Antonio Cezarino, 808, Vila Xavier, das 7h00 às 15h00;

– Pontos de Vacinação da Covid-19 – “Drive Thru”, localizados no SESC e no CEAR.

Fonte: Prefeitura Municipal de Araraquara

Como lidar com a dificuldade em matemática?

A matemática costuma ser um dos maiores vilões para os estudantes, já que é comum que os alunos se identifiquem com as dificuldades e bloqueios nessa disciplina. Mas existem hábitos e atitudes que podem mudar essa perspectiva. Pensando nisso, separamos algumas sugestões que você pode incluir na sua rotina para melhorar a relação com as exatas:
(mais…)