6 atividades extraclasse benéficas para os seus filhos

As atividades extraclasse são uma ótima maneira de levar o aprendizado para além da sala de aula, dando a oportunidade para os seus filhos interagirem com outras crianças e também praticarem algo novo. Veja abaixo algumas atividades e os benefícios que seu filho poderá obter com cada uma delas:

Natação

Ótima atividade esportiva é a Natação

A natação é uma das atividades mais procuradas pelos pais na hora de colocar seus filhos em uma atividade extraclasse. Além da vantagem de poder ser iniciada bem cedo, esse exercício promove o desenvolvimento motor, cognitivo e social das crianças. A natação também é responsável pelo aumento do apetite e da resistência cardiorrespiratória e muscular de seus praticantes.

Teatro

Preparação cultural para os alunos

As aulas de teatro são muito positivas para praticantes de qualquer idade e independem de a criança ser tímida ou extrovertida. Isso porque o teatro permite justamente que a criança desenvolva a imaginação e a sua capacidade de se expressar verbal e corporalmente. O teatro também auxilia no aprendizado de matérias escolares, pois estimula a concentração e a memória. Por fim, quem faz teatro pode apresentar melhora na autoestima e geralmente desenvolve maior interesse pela literatura.

Yoga

Yoga é bom para a mente e para o corpo

A yoga não é apenas uma atividade de adulto: as crianças que a praticam também sentem os mesmos benefícios, como a redução do estresse e a melhora da memória, por exemplo. Além disso, a prática estimula a concentração, diminui a ansiedade, reduz a insônia e as dores corporais crônicas, aumenta a força muscular e melhora o sistema imunológico.

Música

Música na vida do aluno pode ser muito relaxante e tirar a tensão do dia a dia

A música traduz pensamentos, emoções e sensações em sons. Com isso, ela propicia o desenvolvimento da criatividade e da coordenação motora e também cognitiva de seu filho. Praticar regularmente resulta na melhora da fala e auxilia no processo de alfabetização. E, ainda que iniciada por crianças já mais velhas, o aprendizado de algum instrumento musical ou a participação em aulas de canto melhoram o desempenho na escola, reduzem a ansiedade e contribuem para o melhor comportamento dos alunos.

Aula de idiomas

Em um mundo globalizado, saber mais de um idioma faz a diferença na vida profissional

A aprendizagem de uma nova língua ajuda a fortalecer a memória, melhora as habilidades multitarefas e aumenta a capacidade de foco. Além desses benefícios, aprender inglês ou espanhol, por exemplo, permite um melhor desempenho nos vestibulares, já que algumas provas contam com interpretação e leitura em línguas estrangeiras.

Judô

O esporte traz disciplina, espírito de disputa e respeito para o aprendizado.

A luta gera a estimulação psicomotora, ensina sobre paciência e, assim, melhora o comportamento das crianças. O judô, por exemplo, também desenvolve o equilíbrio, a agilidade, a coordenação, a humildade, o respeito e a solidariedade.

Fonte: Sistema COC de Ensino – By Pearson

Segunda fase da Fuvest terá apenas dois dias de prova.

 

O vestibular Fuvest vai mudar. Na última quinta-feira, 17 de maio, o Conselho de Graduação (CoG) da USP aprovou importantes alterações no processo seletivo para ingresso na Universidade. A principal é a diminuição de três para dois os dias de provas da segunda fase.

A Fuvest divide o vestibular em duas fases. Na primeira, todos os candidatos são submetidos a uma prova de conhecimentos gerais, com 90 testes, que incluem as disciplinas obrigatórias do ensino médio (biologia, física, geografia, história,
inglês, matemática, português e química).

Até o processo de seleção 2018, a segunda fase era composta de três provas discursivas realizadas em três dias seguidos. No primeiro dia, dez questões de português e uma redação; no segundo dia, 16 questões sobre disciplinas obrigatórias do ensino médio e, no terceiro dia, 12 questões de disciplinas relacionadas à carreira escolhida pelo candidato.

A partir do vestibular Fuvest 2019, todos os candidatos farão somente duas provas na segunda fase: a de português e redação, que permanece igual aos vestibulares anteriores, e a de disciplinas específicas, ou seja, aquelas exigidas pela carreira escolhida. Nessa prova específica, a quantidade de disciplinas requerida passou de duas a três para duas a quatro, a critério de cada unidade da USP.

“A USP adotou essa mudança pensando no estudante. O processo seletivo para entrar em uma universidade pública é desgastante. Ao invés dele ficar 72 horas sob o estresse de provas, agora serão dois dias”, disse o pró-reitor de Graduação Edmund Chada Baracat.

Ele ressaltou que a retirada de um dia de prova não afetará o poder discriminatório da segunda fase do vestibular. “Nossos estudos demonstraram que não haverá comprometimento na seleção dos estudantes com a retirada do segundo dia. Do ponto de vista do aluno, ele ganha mais tempo para estudar e focar melhor seus estudos nas disciplinas exigidas pela carreira.”

Inscrição por modalidade

Outra importante modificação no vestibular Fuvest está na inscrição dos candidatos. No ano passado, a USP adotou um sistema de reserva de vagas para os estudantes oriundos de escolas públicas e alunos de escola pública autodeclarados Pretos, Pardos e Indígenas (PPIs).

Para a aplicação dessa resolução, a Fuvest adotará inscrições por modalidades de vagas já a partir da primeira fase do vestibular. Ao escolher sua carreira e seu curso, o vestibulando terá três opções: Ampla Concorrência (AC), Ação Afirmativa Escola Pública (EP) e Ação Afirmativa Preto, Pardo e Indígena (PPI).

AC: vagas para todos os candidatos sem exigência de nenhum pré-requisito.
EP: vagas destinadas aos candidatos que, independentemente da renda, tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas.
PPI: vagas destinadas aos candidatos e autodeclarados pretos, pardos e indígenas que, independentemente da renda, tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas.

Além do vestibular Fuvest, a USP possui outra forma de ingresso: o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), gerenciado pelo Ministério da Educação. As modalidades de vagas oferecidas pela Universidade via vestibular Fuvest e Sisu passam a ser compatíveis.

Para o ingresso em 2019, de acordo com as diretrizes estabelecidas pelo governo do Estado de São Paulo, a USP reservará 40% de suas vagas, por curso, para estudantes de escola pública, considerando Fuvest e Sisu. Dentro dessa porcentagem, ainda incidem 37,5% de reserva de vagas para PPIs.

Com a institucionalização da reserva de vagas no vestibular Fuvest, a concessão de bônus deixa de existir. O programa de bonificação na nota do concurso vestibular Fuvest foi criado em 2006 para estimular o ingresso nos cursos da Universidade de estudantes egressos da escola pública.

Reescolha

O vestibular Fuvest não adotará mais o Processo de Reescolha. Esse processo era oferecido aos candidatos não matriculados e que não tivessem sido eliminados após a sexta chamada, com interesse em cursos com vagas ainda não preenchidas.

Em 2019, o número de chamadas de aprovados passará de seis para cinco. De acordo com o pró-reitor de Graduação, isso foi decidido porque mais vestibulandos serão convocados para a segunda fase. “Em cada carreira, serão chamados quatro vezes mais candidatos que o número de vagas da carreira. Antes, o máximo era até três vezes. O impacto disso será a convocação de mais 11 mil estudantes para a segunda fase”, disse Baracat.

Caso haja vagas não preenchidas, elas estarão disponíveis nos processos de transferência interna (para os próprios alunos da USP) e externa (estudantes de outras universidades).

O que não muda para o vestibular Fuvest 2019 é o valor da taxa de inscrição. Ela permanece em R$ 170.

Fonte: Jornal da USP

COC: O LUGAR CERTO PARA UM ENSINO COMPLETO

Para 2018, escola contará com um Programa Bilíngue, com aulas diárias, o Programa da Escola da Inteligência e período integral para alunos da manhã.

Prezando sempre pelo desenvolvimento dos seus alunos, o COC Araraquara oferece educação de qualidade em todas as fases: Educação Infantil, Ensino Fundamental I e II, Ensino Médio e Pré-Vestibular, buscando se atualizar com propostas diferenciadas, incentivando sempre para as melhores escolhas.

Com novidades para o ano letivo de 2018, o COC Araraquara traz projetos inovadores de modo integrado para uma formação de qualidade. Um deles será o Programa Bilíngue para alunos da Educação Infantil ao 5º ano do Ensino Fundamental com aulas diárias e uma metodologia contextualizada dentro do conteúdo didático. O outro é o Programa Escola da Inteligência, que fará parte da grade curricular com uma aula por semana, focando na educação socioemocional. E por último, a escola passará a oferecer período integral com atividades específicas para alunos da manhã e tarde. Até esse ano, apenas os dos períodos da tarde contavam com esse atendimento.

CONHEÇA UM POUCO MAIS…

PROGRAMA BILÍNGUE: Serão cinco aulas semanais de língua inglesa para alunos da Educação Infantil ao 5º ano do Ensino Fundamental, sendo 2 horas-aula focadas na aquisição da língua, 2 horas-aula focadas em: Language Arts, Math, Science and Social Studies e 1 hora-aula focada em Projectts, com material didático específico da Macmillan. O programa é focado em situações cotidianas, através de conteúdos acadêmicos e habilidades metacognitivas para o aluno aprender naturalmente e plenamente a língua, de acordo com a faixa etária. As aulas serão ministradas por professores com certificação internacional, além de formação de pedagogia e/ou letras e no final de cada período o aluno pode fazer uma prova e obter o certificado internacional.

PERÍODO INTEGRAL: Com o período integral há quatro anos para alunos que estudam no período da tarde, o COC Araraquara passa a ter a partir do ano que vem período integral para os alunos que estudam também no horário da manhã.
O aluno estuda no seu período de aulas e no contraturno tem atividades específicas, como balé, judô, artesanato, escola esportiva. Também almoça, tem horário de tarefa e toma banho, tudo com orientação e acompanhamento pedagógico.

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA: O programa idealizado pelo Dr. Augusto Cury, psiquiatra, pesquisador e escritor, que visa a prevenção de transtornos emocionais e de gerenciamento de ansiedade, já com resultados positivos, agora irá fazer parte da grade curricular do COC Araraquara e contemplará desde a Educação Infantil até o 9º ano do Ensino Fundamental com uma aula semanal coordenada por psicólogo.

O programa é aplicado por meio de livros, dinâmica, jogos, recursos multimídias, avaliações do desenvolvimento, entre outros para estimular habilidades como resiliência, empatia, pensar antes de agir e saber gerenciar os pensamentos e ansiedades que são tão importantes na formação do aluno quanto às disciplinas cognitivas.

O método visa desenvolver a educação socioemocional no ambiente escolar, promovendo a melhoria dos índices de aprendizagem, redução da indisciplina, aprimoramento das relações interpessoais e o aumento da participação da família na formação integral dos alunos.

Fonte: Matéria editada e publicada pela Revista Kappa (Ano 8 – Edição 138)

5 Dicas para fazer seu dia de aula ser mais produtivo

É normal vivenciar alguns dias de desanimo e improdutividade nos estudos. O problema é quando isso se torna contínuo ou atrapalha seu rendimento escolar. Siga alguns passos básicos que separamos para você dar a volta por cima e aproveitarseu precioso tempo nas aulas.

  1. Encontre motivação: O período de volta as aulas costuma ser o auge da empolgação, você está descansado, com saudades dos colegas e tem a chance de começar tudo novamente. Com o passar das semanas, essa empolgação começa a diminuir, por isso é necessário reavivar esse sentimento e se motivar todos os dias a prosseguir com seus estudos. É normal se sentir cansado, então tenha sempre alguns objetivos em mente e busque motivação para continuar. Converse com alguém, procure um filme para se inspirar ou pense que suas atitudes agora darão bons resultados no seu futuro. Tente ao máximo não perder o foco e continue a estudar!
  2. Seja organizado: É péssimo chegar na escola e perceber que seu material escolar ficou perdido em casa. Por isso, mantenha seu material e sua agenda sempre organizados.  Saiba quais são as aulas e leve os livros e cadernos certos, isso facilitará muito seus estudos depois, pois quando você faz anotações nos lugares errados, raramente se lembrará dela depois. Organização é sempre importante no processo de aprendizagem.
  3. Use o tempo da aula: Podemos concordar que é fácil se distrair numa aula que não gostamos. Porém, conversar ou fazer outras atividades nesse tempo não ajudará em nada. Geralmente o professor sempre dá algumas dicas essenciais para trabalhos e provas. Outra coisa, é melhor aprender durante o tempo da aula, do que usar seu tempo livro para tentar aprender sozinho. O tempo que você passa na aula tem um propósito, não use para outras coisas, pois isso exigirá mais tempo de você depois.
  4. Não tenha vergonha de pedir ajuda: Ter receio do que os outros vão pensar é coisa antiga. Exponha suas dúvidas sem medo. O professor está na sala para te ajudar e, com certeza, tirará suas dúvidas. Lembre-se que permanecer na dúvida pode te deixar na mão na hora da avaliação ou então pedir mais tempo estudando em casa. Não vale a pena o risco, não é mesmo? Então pergunte sem medo a partir de agora!
  5. Seja realista: Se você estipular metas que não poderá cumprir, irá se atrapalhar e consequentemente se frustrar. Então respeite seu tempo e tenha objetivos que você realmente é capaz de cumprir.

Fonte: s-media-cache-ak0.pinimg.com/564x/86/3a/3e/863a3ea6fbbe438c3361f7a6adb13a08.jpg

Descubra qual seu perfil de pai em relação aos estudos dos filhos

Recentemente um comercial realizou um experimento com pais de alunos e mostrou os resultados do acompanhamento da família nos estudos de crianças e adolescentes. Enquanto os alunos do 4º ano realizavam uma prova, os pais estavam em outra sala e foram comunicados que realizariam a mesma prova. O vídeo mostra a reação de preocupação de alguns pais por não terem contato com os conteúdos há muito tempo.

O resultado: entre as melhores notas estavam os pais que revelaram estudar junto com as crianças. Isso não está relacionado com o nível de conhecimento dos pais, mas sim com o acompanhamento e atenção que dedicam aos estudos dos filhos.

A experiência traz à tona uma reflexão importante e sempre comentada no ambiente educacional: a importância da presença dos pais na vida escolar das crianças e adolescentes. Não se trata dos estudantes terem uma espécie de aula reforço com os pais, mas sim receberem acompanhamento, motivação e algumas cobranças necessárias.

Os estudos não se limitam as quatro paredes da sala de aula. Os alunos devem aproveitar ao máximo o período que passam na escola, mas o tempo de aprendizado se estende até em casa com revisões, pesquisas, lição de casa, preparo para provas, etc. Nesse processo, o incentivo e apoio dos pais é uma peça fundamental. Afinal, são eles que sempre estão em contato com os filhos e possuem um grande poder de influência para mostrar a importância da educação e o valor da escola para a vida deles.

Uma pesquisa identificou cinco perfis de pais brasileiros em relação a educação das crianças. A pesquisa entrevistou 2.002 responsáveis por alunos entre 4 e 17 anos, das redes públicas e privada de ensino.

Comprometidos: São os que mais se destacam na valorização escolar e no vínculo com a criança. Por exemplo, é o perfil que participa das reuniões e dos eventos escolares com maior assiduidade. Eles buscam informações sobre a escola, estabelecem parceria com outros pais e professores e apoiam os filhos na rotina.

Envolvidos: Os que praticam mais ações de valorização do que de vínculo e, portanto, destacam-se por acompanhar a rotina escolar do filho. Ao mesmo tempo, apresentam um ambiente familiar menos propício ao diálogo e um relacionamento menos próximo com a criança. Entre eles, 87% acreditam que, se a criança estudar, terá uma vida melhor que a dele e 79% conferem se o filho estudou para as provas.

Intermediários: São aqueles que obtiveram uma média de respostas, tanto em relação ao vínculo quanto à valorização. Os dados revelam que 70% conferem se o filho faz as lições de casa e 67% olham os cadernos, livros e apostilas.

Vinculados: Exibem um comportamento mais ligado ao vínculo com a criança do que com a valorização da Educação. São responsáveis que dialogam frequentemente com os filhos, mas não acompanham tão incisivamente a rotina escolar. Os dados mostram que 95% dos vinculados afirmam estar presentes nos momentos mais importantes da vida da criança.

Distantes: São os que apresentam o conjunto de respostas com grau mais baixo de vínculo e valorização. Esses entrevistados não se relacionam com outros pais e com a escola e dialogam pouco com as crianças e jovens. É o grupo que tem menor assiduidade nas reuniões e eventos escolares.

Fonte da pesquisa:

www.todospelaeducacao.org.br/reportagens-tpe/31839/pesquisa-revela-perfis-de-pais-em-relacao-a-educacao-dos-filhos